Abel Manta

sem título
Serigrafia sobre papel 58/200
Dimensão da mancha: 45,5 x 60 cm
Dimensão total: 69 x 83 cm

225,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1239 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Abel Manta nasceu em Gouveia em 1888.

Fixou residência em Lisboa em 1904.
Em 1908 matriculou-se na Escola de Belas Artes de Lisboa, onde foi aluno de Carlos Reis e Ernesto Condeixa, terminando o curso em 1915.

Assim em 1919 parte para Paris, onde irá contactar com Francisco Franco, Dordio Gomes, Cristino da Silva e João da Silva, com quem partilhou o ateliê.

Frequentou o curso de gravura na casa Schulemberger; participou no Salon La Nationale, Paris, em 1921, 1922 e 1923.
Regressou a Lisboa em 1925 e nesse mesmo ano expõe individualmente no Salão Bobone, Lisboa.

Em 1920 recebe o 3º Prémio de Pintura na SNBA.
Mas dez anos mais tarde participa no I Salão dos Independentes, Lisboa; a partir dessa data marca presença em inúmeras exposições coletivas.
Recebendo diversos prémios, nomeadamente os seguintes: Prémio Silva Porto, S.N.I., 1942.
1º Prémio de Pintura, I Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa, 1957.

Mas Abel Manta elegeu três domínios temáticos principais: natureza-morta, paisagem e retrato. 

As suas paisagens urbanas oferecem-nos “imagens fiéis mas inesperadas pela escolha do motivo ou do ângulo da sua tomada” Manta pintou a cidade do Funchal, Gouveia ou Lisboa; “sobretudo Lisboa, onde sabia renovar e reinventar, repetindo e inovando um espaço, sempre o mesmo e sempre diferente, como o largo de Camões, lugar comum maior na sua pintura“.
Faleceu em agosto de 1982.