Alice Jorge

 Sem título
Gravura sobre papel nº 47/200
Dimensão: 25 x 15 cm
Dimensão com moldura: 39 x 30 cm
1958

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

300,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1798 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Alice Jorge nasceu em 1924 em Lisboa.

Frequentou a Escola de Artes Aplicadas António Arroio.
Mais tarde estuda na  Escola Superior de Belas-Artes de Lisboa.
Para terminar desenho arquitetónico frequenta a Escola de Belas-Artes do Porto em 1948.
Foi casada durante alguns anos com Júlio Pomar.

Começou a expor  então os seus trabalhos na década de 1950.
Foi uma das fundadoras da Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses.
Além da gravura, pintura e desenho, trabalhou em cerâmica, azulejo, vidros de arte e tapeçaria. Também foi ilustradora de livros, colaborou  assim em obras de autores como Aquilino Ribeiro, David Mourão-Ferreira ou Matilde Rosa Araújo. Ilustrou edições portuguesas do Decameron, da Divina Comédia, das Novelas Exemplares de Cervantes.

Tematicamente centrada  então na representação da mulher, aproximou-se do neorrealismo, evoluindo depois em novas direções. Alice Jorge “pintou e gravou figuras populares, com sensível simplificação de formas e, cerca de 60, criou um paisagismo muito purificado banhado de valores atmosféricos“; na década seguinte optou subitamente pela abstração, “com a criação correta e sensível de grandes formas-signos“.

Participou em diversas exposições  individuais e coletivas.

Está atualmente representada em coleções públicas e privadas, nacionais e internacionais, nomeadamente: Museu Nacional de Arte Contemporânea (Lisboa).
Secretaria de Estado da Cultura; Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa).
Centro Cultural Gulbenkian em Paris
Biblioteca Nacional de Paris e o Museu de Luanda.

Foi condecorada, a 9 de Junho de 1993, com o grau de Oficial da Ordem de Santiago de Espada por mérito artístico.

Alice Jorge faleceu em Fevereiro de 2008 em Lisboa.