Álvaro Lapa

Sem título
Acrílico sobre tela
Dimensão: 50 x 60 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “Casa de D.ª Modista de Ser Cor de Rosa” do Mestre Roberto Chichorro. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 500 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

10.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1178 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Álvaro Lapa nasceu em 1939, em ÉvoraÉ nessa cidade que a sua adolescência fica marcada pelo contacto com o pintor António Charrua e com o escritor Virgílio Ferreira, que lhe despertaram o interesse pela arte e pela literatura.

Assim em 1956 muda-se em Lisboa e matricula-se em Direito e, mais tarde, em Filosofia, licenciatura que concluiu em 1975.
Viaja para Paris, em 1961, onde contacta com pintores próximos do surrealismo e com os movimentos artísticos norte-americanos.

Assim no seu regresso começa a pintar, incentivado por António Areal, concebendo trabalhos de forte vocação abstracionista e informal.
Em 1964, expõe individualmente pela primeira vez e no ano seguinte muda-se para Lagos.

Mas na década de 1980 trava conhecimento com José-Augusto França, que o orienta na sua tese de doutoramento sobre o Surrealismo em Portugal.
Paralelamente à produção plástica, Álvaro Lapa dedicou-se continuamente à escrita, tendo sido autor de numerosas publicações.

 A obra de Lapa tem vindo a realizar uma espécie de gestão enigmática das formas, a partir de um oblíquo sistemas de signos, recusando qualquer equilíbrio ou habilidade estética.

Onde o informe, à maneira de Artaud e Bataille, alude a eventuais filiações na pintura abstrato-expressionista tanto europeia como norte-americana.

Distinguido com vários prémios, entre os quais o 3.º Prémio do I Salão de Arte de Lagos, em 1970, o prémio AICA, em 1987, e o Grande Prémio EDP em 2004.

Álvaro Lapa faleceu em 2006, no Porto.