Ana Vieira

 Sem título
Serigrafia sobre papel nº 31/200
Dimensão da mancha: 33 x 38 cm
Dimensão total: 56 x76 cm
1973
Obra emoldurada

Esta mesma serigrafia encontra-se em acervo na Fundação Calouste Gulbenkian.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “Casa de D.ª Modista de Ser Cor de Rosa” do Mestre Roberto Chichorro. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 500 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

500,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1923 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Ana Vieira nasceu em Coimbra em 1940, passando a infância na ilha de S. Miguel, Açores.

Frequentou a Escola Superior de Belas Artes de Lisboa, terminando o curso de Pintura em 1965. Foi casada com o pintor Eduardo Nery. Ana Vieira viveu e trabalhou em Lisboa.

Expõe desde 1965, mas a sua primeira mostra individual acontece em 1968. “Intitulada Imagens Ausentes, esta mostra deixa claro o interesse de Ana Vieira em superar a dimensão estritamente pictórica do trabalho criativo. Investindo em suportes desviantes em relação ao modelo do quadro pintado“.
Sintonizado com as tendências concetuais emergentes, o seu trabalho manifesta-se, desde esse primeiro momento. “pela revelação de uma proposta pós-pictural aberta à linguagem dos objetos comuns, tomando como modo preferencial a instalação“, para o que irá utilizar uma grande diversidade de materiais e dispositivos assim como biombos e elementos em madeira, peças de mobiliário, tecido, vidro espelhado…

As referências à casa – das paredes que a encerram às portas e janelas –, são recorrentes na sua obra. “Ela cria ambientes: constrói lugares habitados ou desabitados, hospitaleiros ou hostis, ocultos ou desvelados, silenciosos ou plenos de sons que exigem descodificação. Propõe, impertinentemente, corredores mutantes que atravessamos, espaços inquietos e inquietantes que nos expulsam, portas entreabertas que a um tempo mostram e velam, objetos reais ao lado de outros simulados. Levanta paredes que questionam: a segurança e as certezas do abrigo, a distância e a proximidade, a diferença entre o espaço público e o privado, o interior e o exterior“.

Faleceu a 29 de fevereiro de 2016.