Aníbal Alcino

Porto
Serigrafia sobre papel nº 112/150
Dimensão da mancha: 32 x 43 cm
Dimensão total: 56 x 75 cm
1993

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

100,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1676 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Aníbal Alcino nasceu a 3 de Outubro de 1926 em Santa Maria da Feira.

Diplomou-se na ESBAP/Curso Superior de Pintura.
Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian (1963 e 1964) em Madrid. Como membro do grupo “Os Independentes”, participou em diversas exposições de arte moderna promovidas por esse grupo.
Colaborou  então com o pintor Júlio Pomar na página de “Artes e Letras” do Jornal de Notícias, tendo ainda, textos de crítica de arte dispersos por outros jornais e revistas.
Da sua autoria constam alguns títulos dedicados às artes.

Pintor de feição expressionista, por vezes cubista, que usa da simplificação e da elipse.

Aníbal Alcino expõe então individualmente desde 1939 em Portugal e no estrangeiro.

Expôs coletivamente nos 1.º e 2.º Salões dos Novíssimos; Artes Plásticas (1.ª e 2.ª) da Fundação Gulbenkian; Prémio António Carneiro, Biblioteca-Museu de Amarante, 1963; Bienais Internacionais de Vila Nova de Cerveira.

A sua obra artística foi distinguida  assim com alguns prémios nacionais e esteve representada em várias exposições individuais e coletivas, fazendo ainda parte de coleções particulares.

Prémios Armando de Basto (1950) e António Carneiro (1956). Nos anos noventa expôs na “Loios Galeria” do Porto.
Vem  assim referenciado em “Pintores do Minho”, de Nuno Lino Carvalho.
Prémio Rodrigues Soares, Prémio Armando Basto, Prémio António Carneiro.

Está representado em várias Coleções: 

Museu Nacional Soares dos Reis – Porto. Museu de Luanda-Angola.
Instituto Politécnico – Viana do Castelo. Museu Regional de Viana do Castelo.
Museu Regional de Amarante. Escola Superior de Educação de Viana do Castelo.
Centro Cultural do Alto Minho. Câmara Municipal de Viana do Castelo.
Hospital Distrital de Viana do Castelo. Ateneu Comercial do Porto.