António Charrua

 Sem título
Serigrafia sobre papel nº 27/150
Dimensão da mancha: 35 x 26 cm
Dimensão total: 53 x 40 cm
1959

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1771 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

António  Charrua  nasceu em Lisboa a 6 de maio de 1925.
Artista plástico português, dedicou-se à pintura, escultura, gravura e tapeçaria.

Frequentou o curso de arquitetura da Escola de Belas-Artes de Lisboa.
Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian no estrangeiro em 1960-61.
Dedicou-se às artes gráficas (trabalhou para a Portugália Editora, Editorial Presença e Sociedade de Expansão Cultural). Tendo realizado várias capas de livros, por vezes sob o pseudónimo de A. Dias.
Expôs individualmente pela primeira vez em 1953, na cidade do Porto, data a partir da qual passou a apresentar a sua obra com regularidade, a nível nacional e internacional.

Artista plurifacetado e multidisciplinar, Charrua desenvolveu, então diferentes linguagens e suportes, um vocabulário marcadamente abstracionista, influenciado pelo expressionismo europeu e americano.
Deixou uma obra extensa, que se prolongou  assim ao longo de seis décadas de atividade contínua e intensa.

Em 2015, a Fundação Calouste Gulbenkian dedica-lhe uma exposição antológica, levada a cabo pelo Centro de Arte Moderna (CAM), denominada X de Charrua, onde reuniu uma grande quantidade e variedade de obras: pinturas, esculturas, gravuras, desenhos, artes gráficas, cerâmicas, vitrais e azulejos.
Com curadoria de Ana Ruivo e Leonor Nazaré, contou com mais de duas centenas de obras, reflexo dos cerca de sessenta anos de atividade prolífera do artista.

António Charrua faleceu em agosto de 2008.