António Dacosta

Sem título
Gravura sobre papel nº 75/150
Dimensão da mancha: 32,5 x 22 cm
Dimensão total: 59 x 44 cm
1965

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

225,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1181 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

António Dacosta nasce na freguesia de Santa Luzia, cidade de Angra do Heroísmo, no ano de 1914.
Parte para Lisboa em 1935, para estudar na Escola de Belas Artes, integrando-se rapidamente nos circuitos intelectuais da capital.

Entre 1939 e 1948 trabalha essencialmente dentro de um idioma surrealista, afirmando-se como uma figura de referência do movimento em Portugal.

Essa fase encerra-se com pinturas realizadas em Paris – onde fixa residência a partir de 1947, em que se aproxima da abstração.
Segue-se um hiato de trinta anos em que interrompe quase por completo a prática artística, dedicando-se à crítica de arte.

Retoma a pintura de forma consistente apenas no final da década de 1970.

Redescobrir as suas obras iniciais  acentuou desejo de regresso à prática artística, levando-o a retomar gradualmente a pintura.

Assim, a atividade intensifica-se nos primeiros anos da década seguinte.

Em 1984 recebe o prémio AICA, Lisboa.
A partir daí e até à data da sua morte irá realizar um conjunto de obras diversas, identicamente notáveis, “cujo intimismo e a poesia são ímpares na pintura portuguesa contemporânea“.
A sua presença duplamente prestigiada, pelo passado e pela nova visibilidade que adquire na década de 1980, seria marcante na sensibilidade pictural desses anos em Portugal.

A 4 de fevereiro de 1989 é agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Mérito.
António Dacosta faleceu em Dezembro de 1990.