Promoção!

António Pimentel

Sem título
Tinta da china sobre papel
Dimensão: 23 x 17 cm
Dimensão com moldura: 48 x 41 cm
1962

100,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0414 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

António Manuel Moita Pimentel, nasceu em 1935 em Condeixa – Coimbra.

Muda-se para Coimbra e é nessa cidade que trava conhecimento com vários pintores de arte.
A sua primeira experiência de ensino artístico, é obtida com o artista conimbricense Carlos Ramos.
Mais tarde, recebe lições de cerâmica do pintor Mário de Oliveira Soares, nas Fábricas Lufapo-Coimbra.

Em 1956 em conjunto com jovens pintores de Coimbra, organiza o 1º Salão de Artes Plásticas dos Novos de Coimbra, onde são expostos trabalhos de pintura, escultura e cerâmica.
Em 1957, António Pimentel organiza a sua primeira exposição individual, na Sala de Exposições do “Primeiro de Janeiro”.
Nesse mesmo ano, funda com artistas estudantes, o Circulo de Artes Plásticas da Associação Académica de Coimbra.

Muda-se para Lisboa em 1960, onde desenvolve o seu trabalho criativo na agência ETP, por muitos considerada a primeira agência publicitária portuguesa, com Alves Redol, Orlando da Costa, Luís Sttau Monteiro e Ary dos Santos.

Nos anos seguintes continua a aperfeiçoar o seu trabalho artístico, efetuando um curso de gravura no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

A Fundação Calouste Gulbenkian atribui-lhe uma bolsa de estudo para Paris.
Deu-lhe a possibilidade de frequentar a École Nationale Supérieure des Beaux-Arts a partir de 1969, conseguindo ver obras suas premiadas com a 1ª Recompensa a Títulos Estrangeiros.

Visita Londres para a seleção de uma gravura sua para a publicação “European Illustration” e expõe na Academia Real Inglesa.

Volta a Portugal depois da Revolução dos Cravos (1974), onde colabora como ilustrador com diversos escritores e entidades.
Mais tarde estabelece-se no concelho de Condeixa.

Em 1997 realiza as suas duas últimas exposições em vida, na Casa da Cultura de Coimbra e no Museu Municipal Dr. Santos Rocha (Figueira da Foz).

Faleceu em Alcabideque a 24 de abril de 1998,