António Sena

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 27/150
Dimensão: 56 x 38 cm
1970

Reproduzido no livro “20 Anos de gravura”, da Fundação Calouste Gulbenkian.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

225,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1726 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

António Sena nasceu em Lisboa em 1941.

Artista plástico e pintor português.

António Sena estuda no Instituto Superior Técnico e na Faculdade de Ciências de Lisboa, mas desiste da via científica.
Estuda gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, em Lisboa.

Assim expõe individualmente em 1964 e no ano seguinte participa nas primeiras mostras coletivas.
Nesse mesmo ano parte para Londres como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, para estudar na Saint Martins School of Art (1965-1966), permanecendo em Inglaterra até 1975.
Mas após o regresso a Lisboa leciona no Ar.Co (1978-1992).

Durante a permanência em Londres o seu trabalho inicial revela a influência da arte Pop.
A sua obra evolui depois para uma via diversa, fundada numa “grafia íntima, de claro automatismo gestual, onde “a suavidade e pureza cromáticas se conciliam num registo caligráfico“;
António Sena utiliza técnicas mistas, acrílicos, tintas de spray, escorridos e rasuras, povoando essas obras “tendencialmente abstratizantes” de signos gráficos, cruzes, palavras e números.

Assim irá dar continuidade a essa via para depois, já na última década.
Se envolver em experiências cromáticas mais aproximáveis aos tons terra, castanhos, ocres, onde se sente a “emergência de um claro sentido de angústia” associada à nossa condição mortal.
Obedecendo a uma consciência do fim, a sua paleta barrosa dos últimos anos pode ser vista como uma “metáfora para o pó de onde vimos e ao qual regressamos“.

Em 2002 expõe no Centro de Arte Moderna, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.
E no ano seguinte realiza-se uma importante exposição antológica no Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Em 2011 recebeu o Grande prémio Amadeo de Souza-Cardoso.

Outras obras deste artista