Armando Alves

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 123/200
Dimensão: 65 x 56 cm

200,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0866 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Armando José Ruivo Alves nasceu em Estremoz, em 1935.

Em Lisboa, fez o Curso de Preparação às Belas Artes, na Escola de Artes Decorativas António Arroio, e, no Porto

Armando Alves frequentou o curso de Pintura na Escola Superior de Belas Artes, que terminou em 1962

Após a conclusão da licenciatura foi nomeado Professor Assistente, na ESBAP, onde introduziu assim o estudo das Artes Gráficas.

Com os colegas Ângelo de Sousa, José Rodrigues e Jorge Pinheiro formou o grupo “Os Quatro Vintes”, em 1968

Com o qual veio a expor no Porto, em Lisboa e em Paris, durante os anos 60 e 70.

É um dos fundadores da Cooperativa Árvore e um dos intervenientes do Lugar do Desenho – Fundação Júlio Resende, no âmbito da qual participou, assim entre 1997 e 1999, em exposições no Brasil, no Chile, em Cabo Verde e em Moçambique.

Tendo começado por uma figuração que pode aproximar-se do universo neorrealista, optou seguidamente por um informalismo matérico desenvolvido na década de 1960.
Mas nos anos 1970, dedica-se à construção de objetos pintados, de grande depuração formal.
A partir dos anos 1980, retoma os valores da paisagem que reformula à luz de um abstracionismo lírico.

Ao longo da sua carreira alcançou importantes prémios e distinções:

Prémio na Mostra de Artes Gráficas Grafiporto 83, no Museu Nacional de Soares dos Reis

O grau de Grande Oficial da Ordem do Mérito, concedido pelo Presidente da República, Cavaco Silva, nas comemorações do 10 de Junho de 2006, decorridas na Alfândega do Porto.