Promoção!

Augusto Barros

Sem título
Guache sobre papel
Dimensão: 29 x 19 cm

Nota: até ao final do ano, o Clube Rastro tem uma prenda muito especial para todos os compradores de obras originais apresentadas no site do clube: na compra deste original, recebe de imediato a oferta da serigrafia de Alfredo Luz, “Fernando Pessoa”! Veja a obra aqui.

1.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0491 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Augusto Barros nasceu em Lisboa, em 1929.

Tem aulas na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, com Machado da Luz.
Como muitos outros,  considera ser a emigração, a única solução para poder trabalhar em arte e viver dela.

Em 1959, após a obtenção de uma bolsa concedida pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Parte para a Alemanha, onde estuda e se torna discípulo do Mestre Hans Thiemann, da Escola Staadtliche Hochschule Fur Bildende Kunst, de Hamburgo.

Em finais de 1962, regressa a Portugal.
Augusto Barros, ainda neste ano é convidado a participar no 2º Salão de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian.
A partir de 62, expõe coletiva e individualmente, quer em Portugal, quer em diversos países europeus e também nos EUA.

Em 1963, já em Paris, trabalhou com Man Ray e torna-se amigo de Vieira da Silva, do seu marido, Arpad Szenes, de Cargaleiro e de muitos outros.
A sua obra de pintura, óleos, guaches, colagens, é abstratizante.
Porem constrói-se a partir do uso de cores geralmente amortecidas.
Em 1988, regressa definitivamente a Portugal.
Continua a pintar e expõe regularmente, até ao fim da vida, em Portugal e França.

Morre em 1998, em Trajouce.