Carlos Calvet

Theatrum Kosmos 
Acrílico sobre tela
Dimensão: 81 x 116 cm
Dimensão com moldura: 97 x 132 cm
1992

Nota: A obra está reproduzida no livro Carlos Calvet-60 anos de pintura.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente os “Palhaços” do Mestre Roberto Chichorro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das peças, os clientes pagam as obras como puderem – basta contatar-nos – e, agora, recebem uma obra gráfica que vale 350 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

4.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0933 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Carlos Calvet nasceu em Lisboa, em 1928.

Arquiteto de formação pela ESBAP, dedicou-se mais de 50 anos à pintura, tendo igualmente explorado no campo da obra gráfica, a serigrafia, a gravura e a litografia.

Fez também da fotografia um meio de expressão e chegou a experimentar o cinema.

Carlos Calvet, nos anos 1940, constitui o grupo “Os Surrealistas” juntamente com Mário Cesariny, Pedro Oom, Henrique Risques Pereira, António Maria Lisboa, Mário Henrique Leiria, Fernando José Francisco, Fernando Alves dos Santos e Cruzeiro Seixas.

O ano de 1966 marca o início de uma nova fase: “pop metafísica”, que caracteriza toda a sua obra posterior.

Premiado pelo C.A.M. – Fundação Calouste Gulbenkian em 1983.
Realizou inúmeras exposições em Portugal e em importantes cidades internacionais tais como Tóquio, Paris, São Paulo, Chicago, Roma, Montreal, Frankfurt ou Madrid.

Faleceu em 2014.