Carlos Carreiro

 A falar para o Boneco
Acrílico sobre tela
Dimensão: 51 x 83 cm
2018

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “Casa de D.ª Modista de Ser Cor de Rosa” do Mestre Roberto Chichorro. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 500 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

3.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1690 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Carlos Carreiro nasceu em 1946, em Ponta Delgada, Açores. Foi professor da Faculdade de Belas Artes do Porto e, em 1976.

Forma o Grupo Puzzle com Graça Morais, Jaime Silva, Dário Alves, Albuquerque Mendes, Pedro Rocha, Fernando Pinto Coelho, João Dixo e Armando Azevedo.

Carlos Carreiro participa assim em Portugal e no estrangeiro, em mais de 300 exposições coletivas, tais como Arco 98, Madrid e Art Cologne 01.
Tem realizado diversas exposições individuais em Portugal e no estrangeiro, para além de estar presente em numerosas coleções particulares e em muitos organismos oficiais nos Açores.

Das galerias onde expôs, destacam-se: Zen, JN, 111, Módulo, EG, Bertrand, Roma e Pavia, Diagonal, Diagonale (Paris), entre outras.

Mas a  pintura do artista é inconfundível e com um  estilo  muito próprio.
Num imaginário onde imperam a fantasia, o humor e o comentário num verdadeiro jogo de luz e conceitos.
Expôs pela primeira vez em 1967 e foi o mais novo pintor de entre os artistas portugueses que no início dos anos 1970 enveredaram por uma arte narrativa.
A figuração narrativa da pintura de Carlos Carreiro reutiliza técnicas ilustrativas onde o pintor surpreende pela mudança de escala dos objetos representados.
Porque nas suas pinturas o pormenor atrai, descobrindo se continuamente mais uma história, mais um enredo.
O crítico de arte Fernando Pernes chamou lhe, em 1973, o “Jeronimus Bosh na sociedade de consumo”.

Ao longo do seu percurso artístico recebe vários prémios entre eles, em 1984, a Menção Honrosa George Orwell da Fundação Calouste Gulbenkian . Em 1996, o Prémio Nacional de Pintura – 2º Bienal de Arte AIP.

A 10 de Junho de 2006, é condecorado pelo Presidente da República com o grau de Grande Oficial da Ordem de Mérito.

Outras obras deste artista