Carlos Ferreira

Jogador
Escultura em mármore ruivina
Calcário e metal
Dimensão: 87 x 47 x 26 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

1.100,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0884 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Carlos Ferreira trabalhou na indústria de moldes de plástico, após uma breve passagem pelo ensino, mas a sua verdadeira paixão era a arte.

Desde sempre, No início Autodidata, tocado por uma forma sedução, iniciou-se na figuração de objetos que o rodeavam, os caminhos da interpretação da forma. Sonhou e decidiu-se pela tridimensionalidade, pela escultura.

Carlos Ferreira ao longo dos anos vem a trabalhar e experimentar materiais diversificados, tais como a madeira, a verga vegetal, os polímeros, os têxteis, para além da pedra e do ferro a que sempre regressa.

E tem feito o seu caminho deixando marcas – as suas obras – a desafiar a intemporalidade da arte. Ao expor, expõe-se.

Na tensão bipolar contrastante do vai e vem, do oferecer e do receber, os se violências abruptas, curvas, órbitas, traslações, e o rosto ao verso, a rigidez à maleabilidade, a profundidade dos sulcos onde a sombra se acolhe às faces resplandecentes de luz.

O olhar inquieto, ansioso procura no espaço circundante a forma ideal e apazigua-se no labor escultórico.

Outras obras deste artista