Celestino Alves

Canal de Saint-Denis
Gravura sobre papel nº 75/150
Dimensão da mancha: 32 x 42,5 cm
Dimensão total: 40 x 53 cm
1962

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

Reproduzida no livro “20 Anos de Gravura” da Fundação Calouste Gulbenkian.

225,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1187 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Celestino de Sousa Alves nasceu em Setúbal em 1913.
Faleceu em Lisboa em 1974.

Estudou em Setúbal e Lisboa, cidade onde, em 1936, concluiu o Curso
de Pintura na Escola Superior de Belas Artes.

Foi professor do Ensino Técnico em Setúbal, Faro, Caldas da Rainha e Lisboa,
tendo, durante quatro anos, lecionado a disciplina de Desenho na Sociedade
Nacional de Belas Artes.

De 1960 a 1962 também fez parte do 1.º Conselho Técnico da
mesma Sociedade.

Em 1957 foi designado vogal extraordinário da Junta
Nacional de Educação e no mesmo ano foi agraciado com o grau de Oficial da
Ordem de Instrução Pública.
Pintor neofigurativo, distanciou-se, na década de 1960, das formas de
representação das paisagens iniciais, optando pela abstração.

Realizou exposições individuais em Lisboa, Faro, Estoril, Setúbal e Leiria
e participou em várias exposições coletivas.

Celestino Alves foi galardoado com a 1.ª medalha em pintura na Sociedade Nacional de Belas-
Artes; com os Prémios Silva Porto (1944) e Sousa Cardoso (1947); obteve a
bolsa José Malhoa (S. N. B. A.), e esteve representado na 1.ª Bienal de S.
Paulo (1951) e na Exposição Hispano-Portuguesa de Sevilha (1952).

Assim As suas obras estão representadas em vários Museus nacionais e
internacionais.
Câmaras Municipais e Embaixadas, na Coleção das
Fundações Calouste Gulbenkian da Galp e em muitas outras coleções
particulares, nacionais e estrangeiras.
O seu nome faz parte da toponímia de Almada, Lisboa e Setúbal.