Promoção!

Cícero Dias

Sem título
Serigrafia sobre Papel nº 118/200
Dimensão da mancha: 28,5 x 22 cm
Dimensão com moldura: 52 x 38 cm

100,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0389 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Cícero Dias nasceu em 1907, em Pernambuco. Em 1920, muda-se para o Rio de Janeiro e matricula-se em arquitetura e pintura na Escola Nacional de Belas Artes (Enba). Entra em contato com o grupo modernista e, em 1929, colabora com a Revista de Antropofagia. Em 1931, no Salão Revolucionário, na Enba, expõe o polémico painel “Eu Vi o Mundo… Ele Começava no Recife”. 

A partir de 1932, no Recife, leciona desenho no seu estúdio. Em 1937, é preso no Recife após a decretação do Estado Novo. De seguida, viaja para Paris onde conhece Georges Braque, Henri Matisse, Fernand Léger e Pablo Picasso, de quem se torna amigo. Em 1942, é preso pelos nazis e enviado para Baden-Baden, na Alemanha. Posteriormente, muda-se para Lisboa onde vive entre 1943 e 1945 enquanto Adido Cultural da Embaixada do Brasil. 

Em 1946, retorna a Paris onde integra o grupo abstrato Espace. O estilo de Cícero Dias insere-se na vertente modernista tendo passado várias fases, mais geométrico e figurativo ao início mas sempre marcado pelo surrealismo e abstracionismo que acompanha a sua obra.  Em 1965, é homenageado com uma sala especial na Bienal Internacional de São Paulo e, em 1998, recebe do governo francês a Ordem Nacional de Mérito. Cícero Dias faleceu em 2003, em Paris.