Promoção!

Columbano Bordalo Pinheiro

Sem título
Grafite sobre papel
Dimensão: 28 x 21,5 cm
Dimensão com moldura: 63 x 52,5 cm

Nota: até ao final do ano, o Clube Rastro tem uma prenda muito especial para todos os compradores de obras originais apresentadas no site do clube: na compra deste original, recebe de imediato a oferta da serigrafia de Alfredo Luz, “Fernando Pessoa”! Veja a obra aqui.

750,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR2327 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Columbano Bordalo Pinheiro nasceu em Cacilhas em 1857.

A sua formação artística desenvolveu-se em ambiente familiar, entre os estudos de pintura holandesa e flamenga, exigidos pelo pai, o artista Manuel Maria Bordalo Pinheiro, e o contacto com o realismo, sob influência do seu irmão mais velho, Rafael Bordalo Pinheiro.

Aluno pouco assíduo da Academia de Belas-Artes de Lisboa.

Columbano Bordalo Pinheiro estreou-se nas exposições da Sociedade Promotora das Belas-Artes com pequenos quadros de género, na década de 70.

Em 1880 obtém o pensionato particular da Condessa d’Edla para uma estada em Paris.
Antes de partir, realiza um conjunto de pinturas, importantes pela observação crítica e irónica de ambientes burgueses portugueses.
Realiza, já em Paris, “Concerto de Amadores”, obra intimista de grandes dimensões, recusada no salão da Promotora de 1883 e mal-entendida por uma crítica artisticamente pouco preparada.

Realiza várias decorações em palacetes particulares, como o Valenças, Museu de Artilharia.
Sala dos Passos Perdidos da Assembleia da República, onde regista, em vastos painéis, um interessante conjunto de políticos contemporâneos que associa a figuras marcantes da História de Portugal.

Dedica-se preferencialmente ao retrato de amigos e familiares, nos anos 80.
Usa tonalidades claras, que posteriormente escurece, nos retratos de intelectuais portugueses.

Na viragem do século, numa característica pintura em mancha e tonalidades, terminando numa obsessiva preocupação pelo tratamento da luz que desmaterializa a figura.

Pioneiro do realismo, as suas obras referenciam artistas como Velázquez, Rembrandt, Manet, Degas, Courbet, Fantin-Latour.

Amigo de Sargent, próximo da estética do alemão Leibl, Columbano constrói uma original modernidade.

O artista faleceu em Lisboa no ano de 1929.