Eduardo Souto de Moura

 Desenho para Cabrita Reis
Serigrafia sobre papel nº 93/150
Dimensão da mancha: 28 x 58 cm
Dimensão total: 50 x 70 cm
2023

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

450,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1552 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Eduardo Souto de Moura nasceu no Porto em 1952.

Licenciado em Arquitetura pela Escola Superior de Belas Artes do Porto.

Arquiteto com uma notável carreira nacional e internacional.
Mas Eduardo Souto de Moura iniciou a sua carreira colaborando no atelier de Álvaro Siza Vieira.
Recém-formado, surpreendeu a comunidade dos arquitetos vencendo o concurso para o importante projeto do Centro Cultural da Secretaria de Estado da Cultura no Porto.

Que o viria a lançar, dentro e fora de Portugal, como um dos mais importantes arquitetos da nova geração.
Mas o seu reconhecimento internacional viria a reforçar-se com a conquista do primeiro lugar no concurso para o projeto de um hotel na zona histórica de Salzburgo, na Áustria, em 1987.

Assim trabalhou com Álvaro Siza Vieira, mas cedo criou o seu próprio espaço de trabalho.
Souto Moura, influenciado pela horizontalidade das linhas condutoras de Mies van der Rohe, tem nas casas o seu grande espólio de obras.
Assim é um dos expoentes máximos da chamada Escola do Porto, vencedor do Prémio Pritzker em 2011.

Em 1995 é condecorado Grande-Oficial da Ordem do Infante D. Henrique.
A partir da Casa em Cascais, realizada em 2002, começou a afastar-se da linguagem miesziana que o definiu numa primeira fase da sua obra.
Começando a redesenhar a forma de construir e criar arquitetura através da complexidade e dinamismo de formas, mas sempre com o cuidado do desenho espacial habitual.
Exemplo disso é o Estádio Municipal de Braga.
Mas onde o imaginário de teatro e o cenário da pedreira, onde a obra está edificada, nada nos remetem às primeiras obras do arquiteto, mas muito mais a uma segunda etapa que dá, agora, os primeiros passos.

Assim Souto de Moura é distinguido na Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada do Porto com o doutoramento Honoris Causa.