Fernando Calhau

 Sem título
Serigrafia sobre papel 27/200
Dimensão da mancha: 66 x 49 cm
Dimensão total: 76 x 56 cm
1975
Obra emoldurada.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

400,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1737 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Fernando Calhau nasceu em Lisboa em 1948.
 Lisboa, 2002)
Foi um artista plástico e pintor português.

Em 1973 licenciou-se em Pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.
Estudou na Slade School of Fine Art, Londres, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, onde estudou gravura com Bartolomeu Cid dos Santos.

Realizou a primeira exposição individual em 1968, na Cooperativa Gravura, Lisboa.

Na década de 1970 o seu trabalho está em sintonia com os programas da arte conceptual e minimalista.
Realiza obras monocromáticas de grande depuração formal, utiliza o filme super 8, o vídeo, e fotografia.
Mas a partir dos anos oitenta utiliza o ferro e o néon azul em obras como Timeless (1994), onde a palavra escrita assume papel determinante.

Na década de 1980 retornou  então à pintura, detendo-se em reflexões sobre o suporte, a forma, a escala, a (de) composição de espaços e as relações texto-imagem, questões que trata com grande depuração formal e solidez conceptual.

Mas para além da atividade artística, Calhau teve um importante papel no âmbito da administração cultural, destacando-se os cargos que ocupou na Direcção-Geral de Ação Cultural da Secretaria de Estado da Cultura, na comissão organizadora do Museu de Arte Moderna do Porto, na orientação da Coleção de arte contemporânea da Caixa Geral de Depósitos e no Instituto de Arte Contemporânea.

Fernando Calhau teve também uma extensa carreira ao serviço da Secretaria de Estado da Cultura, tendo, nomeadamente, dirigido o Instituto de Arte Contemporânea entre 1997 e 2000.

Em 2001 realizou duas exposições no Centro de Arte Moderna José de Azeredo Perdigão, Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa.

Faleceu em Lisboa em 2002.