Guilherme Parente

 Sem título
Serigrafia sobre papel nº 42/50
Dimensão: 70 x 50 cm
Obra emoldurada.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1745 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Guilherme Parente nasceu em (Lisboa em 1940).
E um pintor português.

Guilherme Parente no início da década de 1960 estuda pintura com o mestre Roberto Araújo na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, e  por outro lado frequenta os cursos de gravura na Gravura – Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, em Lisboa.
Mas entre 1968 e 1970 estudou na Slade School, em Londres, como bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian. Pertenceu ao grupo 5+1 conjuntamente com o escultor Virgílio Domingues e os pintores João Hogan, Júlio Pereira, Sérgio Pombo, e Teresa Magalhães.

Na sua pintura, de pendor narrativo, povoada de coisas e bichos e gente, as figuras “nascem quase automáticas do seu trabalho de mão e de um ofício, que se esconde mais do que se mostra porque não necessita de se mostrar“. Sobre esse longo trabalho, em que a pintura acontece naturalmente, o pintor afirma: “Não sei o que eles [os quadros] contam, eles acontecem […] Não são coisas que sejam delineadas à partida, vão acontecendo, vão-se modificando e transformando […]”.

Realiza exposições individuais e coletivas entre 1978 a 2023.
1989 – Prémio de Pintura da Sociedade Nacional de Belas Artes
1975 – Prémio Malhoa

Está representado no Ministério da Cultura, na Fundação Nacional Soares dos Reis, no Museu Nacional de Arte Contemporânea, na Fundação Calouste Gulbenkian e no Museu Machado de Castro.