Hein Semke

Sem título
Técnica mista sobre papel
Dimensão: 90 x 60 cm
Dimensão com moldura: 110 x 80 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “A Valsa dos Detetives” do Mestre Carlos Carreiro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 225 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0800 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Hein Semke (1899-1995) foi um artista alemão, natural de Hamburgo, que viveu em Portugal entre 1932 e 1995.

Depois de ter participado na Primeira Guerra Mundial, Semke tornou-se um pacifista convicto, frequentando círculos anarquistas, o que o levou à prisão entre 1923 e 1928.

Entre 1930 e 1932, estudou pintura e cerâmica na Escola de Artes e Ofícios de Hamburgo e escultura na Academia de Belas-Artes de Estugarda.

A arte, que não mais abandonou, tornou-se a sua razão de viver e deu sentido à sua vida.

O torso feminino é outro dos grandes temas plásticos do artista.

Mas, sobretudo a partir dos anos 60, as esculturas são apenas troncos.

Com um grande fascínio por Edvard Munch, que não chegou a conhecer, Semke realizou uma homenagem ao pintor norueguês em 1977

A partir dela, o artista fez em 1979 uma série de paisagens, que estão presentes nesta exposição.

Nos livros do artista, os textos, escritos na sua língua materna, num registo de quase diário, inscrevem-se entre os desenhos, a pintura e a gravura, reforçando a ligação entre o texto e o visual.

A obra de Hein Semke, abarcando várias linguagens, da escultura à gravura, pintura, colagens e 34 livros de artista, realizados entre 1958 e 1986

Esta exposição, com cerca de 160 obras, entre pintura, cerâmica e escultura

Intitulada «Hein Semke. Um Alemão em Lisboa», foi inaugurada no dia 19 de novembro de 2015 na Galeria do piso 1 do Centro de Arte Moderna, com curadoria de Ana Vasconcelos.

A exposição incidiu principalmente sobre as obras de arte que integraram a doação feita ao Centro de Arte Moderna (CAM) em 2013

No âmbito da exposição, o CAM produziu um filme sobre este artista, da autoria de Rui Xavier.