Inácio Matsinhe

Sem título
Tinta da china sobre papel
Dimensão: 33 x 23 cm
1983

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

300,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0612 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Inácio Matsinhe nasceu em Maputo, Moçambique. No ano de 1945.
Inácio Matsinhe, escritor, pintor, escultor e ceramista.

Frequentou a Escola de Artes Decorativas Mouzinho de Albuquerque em Lourenço Marques (atual Maputo) em 1962.

No ano de 1976 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian no Egipto.

  Estudou Técnica de Cerâmica Italiana na Accademia delle Belle Arti “Pietro Vannucci” em Perugia, Itália.

Em 1977 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian para a Técnica da Cerâmica Inglesa no Polytechnic Institute Sir John Cass em Londres.

Em 2004 regressou a Moçambique e deu aulas de formação profissional nas áreas da cerâmica e do vidro.
Trabalhou num projecto do Banco Mundial para reactivação da cerâmica moçambicana.

Em 2002 fundou a Associação Moçambique Kultural, em Lisboa.
No ano de  1981 criou atelier próprio na Alfama, Lisboa.