Jacques Monory

Nuit
Serigrafia sobre papel, nº 57/200
Dimensão da mancha: 49 x 49 cm
Dimensão total: 80 x 70 cm
2002

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#0051 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Pintor e cineasta francês, nascido em Paris em 1924, Jacques Monory apresenta assim uma obra plástica de grande relevância no panorama da arte contemporânea global.
Por outro lado a fotografia e o cinema assumem um papel central, como alegoria do mundo contemporâneo e da violência da realidade quotidiana.

Artista múltiplo, teve assim intervenções marcantes em áreas como a performance ou a literatura policial.
A sua primeira exposição individual aconteceu em 1955.
Na parisiense Galeria Kleber, assinalando o inicio de uma carreira aclamada, com vasta obra exposta nas mais importantes galerias e museus dos cinco continentes. Monory é um dos expoentes da escola da Figuração Narrativa, que desenvolveu e aprofundou a Arte Pop dos anos 1960. As suas obras integram as coleções de instituições como o Centro Pompidou e o Museu de Arte Moderna, em Paris, o Museu de Arte Moderna e Arte Contemporânea em Genebra, o Museu de Arte Moderna em Fukoka, Japão, o Museu Nacional de Belas Artes de Havana ou o Leeum, Samsung Museum of Art em Seul, entre muitos espaços públicos e privados.

Jacques Monory dizia praticar «uma pintura dificilmente admissível, feita de ideias simples, símbolos». A sua visão artística também é expressa em filmes, como Brighton Belle, de 1974, «novelas fotográficas» ou romances policiais, como Deux, de 1973 e Diamond Back, de 1982). Para o pensador Jean-François Lyotard, Monory era «um filósofo espontâneo. O seu trabalho é uma pergunta, essa pergunta é a mais comum: qual é o sentido da vida?». Jacques Monory faleceu em Outubro de 2018.