João Hogan

 Sem título
Gravura sobre papel nº 27/150
Dimensão da mancha: 32,5 x 43,5 cm
Dimensão total: 38 x 56 cm
Dimensão com moldura: 51 x 52 cm
1970

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

210,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1773 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

João Hogan nasceu em Lisboa a 4 de Fevereiro de 1914, no seio de uma família de
pintores.

De ascendência irlandesa, era neto do aguarelista Ricardo Hogan e sobrinho
do pintor Álvaro Navarro Hogan.

Frequentou assim durante um ano  o curso geral da Escola Superior de Belas Artes
de Lisboa.

Porque estava descrente do ensino artístico, tornou-se autodidata, exercendo a sua vocação
como pintor

Mas em 1937 tornou-se aluno de Frederico Ayres e de Mário Augusto nas aulas
noturnas da Sociedade Nacional de Belas Artes (SNBA).

João Hogan realiza a primeira exposição individual em 1951 na SNBA.

Elegeu a paisagem como tema predileto e interpretou-a exaustivamente
durante todo o seu percurso artístico.

O artista teve assim, numa primeira fase, a grande influência dos naturalistas portugueses,
Silva Porto, Columbano ou Malhoa.

Mas num segundo momento nomeou como mestres Van Gogh e Cézanne,
notando-se na sua obra a geometrização dos elementos da paisagem e a
solidez na estruturação da imagem.

No início do seu percurso pintava ao ar livre nos arredores da cidade de
Lisboa ou na Beira Baixa, método que foi abandonado à medida que foi
trabalhando uma paisagem mais crua

Recebeu 1º Prémio de Pintura na II Exposição de Artes Plásticas da
Fundação Calouste Gulbenkian, 1961 e o 1º Prémio de Pintura Silva
Porto, SNI, Lisboa, 1964.

Mas em 1957 iniciou-se na gravura, sob influência de William Hayter, de
quem foi aluno.

Foi sócio fundador da Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses,
em Lisboa, onde dirigiu diversos cursos de gravura

Assim quatro anos mais tarde, em 1992, foi homenageado com uma exposição
antológica no Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian.

Faleceu em Lisboa a 16 de junho de 1988

Outras obras deste artista