Promoção!

Jorge Martins

Sem título
Óleo sobre tela
Dimensão: 140 x 140 cm
Dimensão com moldura: 146 x 146 cm
1998

Nota: até ao final do ano, o Clube Rastro tem uma prenda muito especial para todos os compradores de obras originais apresentadas no site do clube: na compra deste original, recebe de imediato a oferta da serigrafia de Alfredo Luz, “Fernando Pessoa”! Veja a obra aqui.

5.000,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#2981 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Jorge Martins nasceu em Lisboa, no ano de 1940, e frequentou os cursos de Arquitetura e Pintura da ESBAL entre 1957 e 1961. Em 1958 iniciou-se na técnica de gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses. A conjuntura político-social portuguesa leva-o a partir em 1961 para Paris, num “exílio” que dura até 1986 sendo apenas interrompido por uma estadia em Nova Iorque entre 1975 e 1976.

Na capital francesa convive com os pintores Júlio Pomar, Arpad Szenes e Vieira da Silva e com o grupo KWY. Concebendo no início da sua carreira obras de pendor neofigurativo, Jorge Martins virá a desenvolver uma pesquisa artística centrada no tratamento da luz e nos modos de materialização do invisível, criando uma linguagem que em alguns momentos se aproxima do abstracionismo.

A evolução do seu trabalho leva à conceção de pinturas marcadas pelos fundos saturados neutros, onde se distribuem, por vezes de um modo barroquizante, formas simples de cor ou palavras. A figura humana marca presença regular na sua pintura, sendo que as tensões entre figuração e abstração nunca abandonarão a sua obra.

Jorge Martins dedicou-se também à ilustração, ganhando em 1984 o Prémio Gulbenkian de Ilustração de Literatura Infantil. Foi distinguido com o Prémio de Aquisição na Exposição de Arte Moderna do Museu do Funchal (1967), Prémio AICA (1971 e 1988), Prémio de Desenho da III Exposição de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian (1986) e Prémio de Consagração CELPA / Vieira da Silva (2003).