Jorge Pinheiro

 Sem título
Desenho a caneta sobre papel
Dimensão: 28 x 20,5 cm
Dimensão com moldura: 43 x 33 cm
1996

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1482 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Pintor português, Jorge Pinheiro nasceu em 1931, em Coimbra.
Tirou o Curso de Pintura na Escola de Belas Artes do Porto, entre 1955 e 1963, onde foi professor de 1963 a 1976.
A partir desta data, tornou-se docente da Escola de Belas-Artes de Lisboa.
No início da sua carreira, integrou o grupo “Os Quatro Vintes”, juntamente com Ângelo de Sousa, Armando Alves e José Rodrigues.
Iniciando a sua produção artística num campo de tendência expressionista e figurativa, Jorge Pinheiro tomou contacto com o abstracionismo geométrico após uma viagem pela Europa em 1966.
Os seus quadros tornaram-se objetos cuja forma do suporte depende do elemento representado. A pintura ultrapassa os limites anteriormente impostos pelo suporte, passando a ser este um elemento condicionante.
Nas suas pinturas de grande formato, as superfícies tornam-se campos cromáticos lisos povoados de formas geométricas elementares.
Em 1972, realiza a Prova de Agregação na Escola de Belas-Artes do Porto, mediante a apresentação da obra outono.
Nesta peça, o campo pictórico é estruturado através de linhas verticais e horizontais, que constituem zonas cromáticas bem definidas, sobre as quais surgem formas curvas dinâmicas.
A partir de 1973, retoma a tendência figurativa com um conjunto de quadros de temática religiosa e mística, organizados em séries temáticas (como por exemplo, a série dos bispos).
Em 1979 foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian, estagiando na École de Hautes Études en Sciences Sociales de Paris.
Expõe regularmente em mostras individuais desde 1958 e coletivamente desde 1954.

Outras obras deste artista