Promoção!

José de Guimarães

D. Afonso Henriques
Serigrafia sobre papel, P.A.
Dimensão da mancha: 66 x 50 cm
Dimensão total: 76 x 56 cm

 

500,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0428 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

José de Guimarães nasceu em Guimarães, a 25 de novembro de 1939 e é um dos nomes mais marcantes e premiados das artes plásticas contemporâneas portuguesas, com uma enorme expressão internacional e um currículo impressionante de prémios e exposições por todo o globo. A sua relevância fica patente na existência do Centro Internacional das Artes José de Guimarães. Em 1990 recebeu o grau de Comendador da Ordem do Infante D. Henrique, atribuído pelo Presidente da República Portuguesa, Mário Soares, pela excelência da obra e enorme contributo à nossa cultura e sua difusão internacional, sobretudo na pintura, escultura, gravura e também no design.

Em 1957 ruma a Lisboa para o curso de Engenharia Civil na Academia Militar mas foi ao frequentar a Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses que começou a desenvolver a sua arte, convivendo e aprendendo com outros grandes artistas plásticos como Júlio Pomar, aprofundando a técnica da gravura, em que se notabilizou. Nos anos 60, cumpriu o serviço militar em Angola, onde teve contacto com as paisagens, gentes e tradições africanas, pelas quais se apaixona.

Homem do mundo, na construção dos seus Alfabetos, foi em sítios como Angola, México, Japão ou a China, nas antiguidades exóticas destas paragens, que bebeu grande parte da sua inspiração, sendo um artista reconhecido nesses países. Em 2000, por exemplo, foi convidado a participar na renovação do centro histórico da cidade japonesa de Kushiro, criando obras de arte pública e mobiliário urbano. Esta urbe da ilha de Hokkaido, de resto, possui uma Casa Museu dedicada ao artista português e são mais de 450. A Biblioteca Nacional de Portugal possui um acervo de cerca de 450 peças de sua autoria, doadas pelo consagrado artista.

Outras obras deste artista