José Pedro Croft

 Sem título
Gravura em Água Tinta, Maneira negra e Ponta seca
Número: 4/24
Dimensão: 50 x 65 cm
2006

Com pequenas manchas no papel da gravura.

A obra está catalogada no livro de José Pedro Croft – Gravura, da Fundação Calouste Gulbenkian, 50 anos. CAMJAP/OUTUBRO 2006.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente a serigrafia “Casa de D.ª Modista de Ser Cor de Rosa” do Mestre Roberto Chichorro. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta uma obra gráfica que vale 500 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

 

1.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1398 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

José Pedro Croft nasceu em 1957 no Porto.

Tendo frequentado, de 1976 a 1981, o curso de pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.

Formado em pintura, durante os anos 80 produziu sobretudo esculturas em pedra

A partir de finais dos anos 80 começou a trabalhar com gesso e bronze, representando utensílios básicos do quotidiano, associados a pequenos sólidos.

Durante os anos 90 abandonou definitivamente o trabalho da pedra e começou a incorporar nas suas obras objetos como mesas e cadeiras, e posteriormente usa vidro transparente, espelho ou bronze.

Expondo individualmente pela primeira vez em 1983, desde então tem participado em várias exposições em Portugal e no estrangeiro.

José Pedro Croft representou Portugal na 46ª Bienal de Veneza, em 1995.

Em 2002 apresentou uma retrospetiva do seu trabalho no Centro Cultural de Belém, Lisboa.

Tem também realizado obras de arte pública, tendo recebido em 2001 o Prémio Nacional de Arte Pública Tabaqueira.

Para além da obra Escada, realizada para o 4º Simpósio Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, em 1997.

Mais recentemente (em 2010) produziu uma escultura pública para o Jardim dos Coruchéus, Lisboa.

Ao longo dos anos, conquistou um estatuto importante no panorama artístico nacional e internacional.
Participou em várias exposições internacionais, tendo já realizado exposições individuais na Fundação Calouste Gulbenkian (1994) e uma retrospetiva no Centro Cultural de Belé

Outras obras deste artista