José Pedro Croft

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 27/36
Dimensão: 57 x 76 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

300,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#0863 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

José Pedro Croft nasceu em 1957 no Porto.

Tendo frequentado, de 1976 a 1981, o curso de pintura na Escola Superior de Belas Artes de Lisboa.

Formado em pintura, durante os anos 80 produziu sobretudo esculturas em pedra

A partir de finais dos anos 80 começou a trabalhar com gesso e bronze, representando utensílios básicos do quotidiano, associados a pequenos sólidos.

Durante os anos 90 abandonou definitivamente o trabalho da pedra e começou a incorporar nas suas obras objetos como mesas e cadeiras, e posteriormente usa vidro transparente, espelho ou bronze.

Expondo individualmente pela primeira vez em 1983, desde então tem participado em várias exposições em Portugal e no estrangeiro.

José Pedro Croft representou Portugal na 46ª Bienal de Veneza, em 1995.

Em 2002 apresentou uma retrospetiva do seu trabalho no Centro Cultural de Belém, Lisboa.

Tem também realizado obras de arte pública, tendo recebido em 2001 o Prémio Nacional de Arte Pública Tabaqueira.

Para além da obra Escada, realizada para o 4º Simpósio Internacional de Escultura Contemporânea de Santo Tirso, em 1997.

Mais recentemente (em 2010) produziu uma escultura pública para o Jardim dos Coruchéus, Lisboa.

Ao longo dos anos, conquistou um estatuto importante no panorama artístico nacional e internacional.
Participou em várias exposições internacionais, tendo já realizado exposições individuais na Fundação Calouste Gulbenkian (1994) e uma retrospetiva no Centro Cultural de Belém (2002).