José Rodrigues

Sem título
Serigrafia sobre papel PA XXV/XXV
Dimensão: 48 x 35 cm
Dimensão com moldura: 54 x 46 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

200,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1944 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

José  Rodrigues nasceu em 1936 em Luanda, mas viveu uma parte da sua infância em Alfândega da Fé, uma pequena aldeia transmontana em Portugal.

Realizou os seus estudos artísticos na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, onde concluiu o curso de Escultura, em 1963.
José Rodrigues ajuda a fundar a Cooperativa Árvore Cooperativa Cultural Árvore, no Porto, uma fundação privada na cidade do Porto. Com o objetivo de promover assim um novo modelo de ensino artístico, em arquitetura e belas-artes, capaz de romper com o academismo vigente, mais livre e colaborativo.
Será presidente desta instituição por trinta anos.
A par desta atividade foi professor de Escultura na ESBAP até 1998.

Com Armando Alves, Ângelo de Sousa e Jorge Pinheiro constituiu, em 1968, o grupo Os Quatro Vintes, todos artistas que irão marcar a introdução das vanguardas em Portugal a partir dos anos 1960.
Este coletivo de artistas, que existiu até 1972, foi formado pela coincidência dos vinte valores dos seus membros no final do curso na Escola de Belas-Artes do Porto.

O seu trabalho é multidisciplinar, porque alia à escultura áreas como a gravura, a medalhística, a cerâmica, a ilustração e a cenografia.
De entre vários autores portugueses, ilustrou livros de Eugénio de Andrade, Jorge de Sena, Albano Martins e Vasco Graça Moura.
Outra vertente do seu trabalho é a arte sacra, no âmbito da qual realizou uma série de “Cristos”.

Faleceu  no Porto, em setembro de 2016.