Promoção!

Júlio Pomar

Tigre
Serigrafia intervencionada, nº 77/200
com colagem e tinta acrílica sobre tela
Dimensão da mancha: 71,4 x 49,5 cm
Dimensão com moldura: 102 x 77,5 cm

Nota: A serigrafia está catalogada na obra gráfica de Júlio Pomar, na página 149.

Nota: caso deseje adquirir esta obra e não tenha disponibilidade para pagar de imediato a totalidade do valor, o Clube Rastro permite o pagamento fracionado. Basta contatar o nosso clube e combinar connosco um plano de pagamentos. Sem despesas nem juros para si!

1.750,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0459 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Júlio Pomar nasceu em Lisboa em 1926. Pertence à 3ª geração de pintores modernistas portugueses.

Júlio Pomar é um gigante da história da arte portuguesa e um dos grandes da arte universal, com
uma carreira a todos os títulos brilhante e celebrada aquém e além fronteiras.

Aluno da Escola António Arroio e da Faculdade de Belas-Artes, aos 16 anos já expunha num atelier na Praça das Flores, onde chamou a atenção de Almada Negreiros que lhe comprou o primeiro quadro.

Os primeiros anos da sua carreira estão ligados à resistência contra o regime do Estado Novo e à afirmação do movimento neorrealista em Portugal, marcando a especificidade deste no contexto europeu.

Começou assim, uma carreira artística a todos os níveis notável, multipremiada e representada em muitas coleções públicas e privadas, em monumentos, painéis e outras obras de arte pública de relevo.

Artista múltiplo e insubmisso, era igualmente cidadão participativo na sua “polis” e a sua militância política em prol da democracia e da liberdade nos tempos da ditadura salazarista.   Partilhou a mesma cela com Mário Soares, mais tarde Presidente da República.

Foi Júlio Pomar, já pintor consagradíssimo, que viria a pintar o retrato oficial do estadista, que se encontra na galeria oficial do Palácio de Belém.

O Museu do Chiado, o Centro de Arte Moderna, a Fundação Calouste Gulbenkian.

Museu de Arte Contemporânea de Serralves.

Fonds National d’Art Contemporain, Paris.

Museu de Belas Artes de Bruxelas.

Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, o Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand.

Caixa Geral de Depósitos e a Coleção Manuel de Brito, são alguns dos acervos que contêm obras de Pomar.

Júlio Pomar faleceu, em Lisboa, em 2018.

Outras obras deste artista