Luís Queimadela

Espelho Negro
Escultura em compósito e granito
Múltiplo 8/25
Dimensão: 34 x 25 x 12 cm
2022

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

300,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#2095 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Luís Queimadela nasceu em Coimbra, onde deu os primeiros passos no mundo da pintura.

Profissionalmente exerce funções docentes e, como atividade de lazer, escolheu o andebol.

A produção de trabalhos de escultura e decoração fixam-no em São Pedro do Sul, onde assume um novo desafio docente.

Desta feita ligado ao Projeto Carvalhais, onde, durante meia dúzia de anos, leciona formação profissional na área da pedra, nos cursos de canteiro-restaurador.

De há cinco anos a esta parte volta a sua atividade para a área da decoração, tendo, inclusive, projetado algumas unidades hoteleiras no país.

O Hotel D. Inês, em Coimbra, o Hotel D. Jorge, em Grândola, o Hotel Solar do Rio e o Hotel Lisboa, nas termas de São Pedro do Sul e a Residência Turística Vila dos Navegantes são apenas alguns.

Ainda durante este período de tempo, Luís Queimadela desenvolve projetos de design ligados às resinas.
Tendo efetuado diversos trabalhos no país, continental e insular, nomeadamente em Lisboa, Viana do Castelo, Funchal e Ponta Delgada.

A estranheza da obra do artista encontra-se em mostrar sentimentos que pertencem ao domínio do privado e que dele não devem sair.
A demonstração física de sentimentos que estas obras demonstram de forma tão clara, serão atualmente do domínio da estranheza.
Pois uma sociedade pós-moderna que sente o outro através de fatos de dados, tem o toque reprimido, algo que lhe é familiar, mas que agora pertence ao domínio da repressão.
O toque atual é virtual, dependente de uma só vontade.

Encontra-se representado em Viseu, cidade e respetivas freguesias, bem como em Coimbra, São João da Madeira, Castelo de Paiva, Vila Pouca de Aguiar, Sernancelhe, Vouzela, São Pedro do Sul, Carvalhais e Oliveira do Hospital.