Malangatana

Sem título
Tinta da china sobre papel
Dimensão: 19 x 24,5 cm
Dimensão com moldura: 51 x 56 cm
1965

Nota: caso deseje adquirir esta obra e não tenha disponibilidade para pagar de imediato a totalidade do valor, o Clube Rastro permite o pagamento fracionado. Basta contatar o nosso clube e combinar connosco um plano de pagamentos. Sem despesas nem juros para si!

 

1.250,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0681 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Malangatana, nasceu a 6 de junho de 1936, em Moçambique.

Em 1961 fez a primeira exposição individual, organizada no Salão dos Organismos Económicos, em Lourenço Marques.

Malangatana continua a pintar, mas dedicando-se igualmente ao desenho, regressando aos seus pesadelos, delírios e sonhos.
A sua obra aproxima-se de mitos, de histórias e de objetos imaginários.

Em 1958, ingressou  assim no Núcleo de Arte, uma organização artística local, recebendo o apoio do pintor Zé Júlio.
No ano seguinte, expôs a sua arte publicamente, pela primeira vez, numa exposição coletiva, passando a artista profissional graças ao apoio oferecido pelo arquitecto português Pancho Guedes,

Em 1964, ano em que a guerra de libertação se inicia no Norte de Moçambique, Malangatana é acusado de colaborar com a FRELIMO e é preso pela polícia política portuguesa.
Durante dezoito meses conhece a dureza do regime colonial.
As suas obras vão refletir a monstruosidade da PIDE, como acontece com o quadro Monstros grandes devorando monstros pequenos, mas também com uma série de desenhos a tinta da China.

Malangatana é um grande conhecedor de rituais e mitos africanos e conhecedor da cultura ocidental.
Viaja para fora de Moçambique pela primeira vez quando recebe a bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.
Chega a Lisboa em 1971 para estudar gravura na Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses.
Frequenta  assim o curso de litografia com o gravador Humberto Marçal.
Malangatana faleceu em 2011 em Portugal.