Manuel Amado

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 56/180
Dimensão da mancha: 38 x 57 cm
Dimensão total: 56,5 x 75,5 cm
Dimensão com moldura: 64 x 80 cm
1989
Obra emoldurada.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

400,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1637 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Manuel Amado nasceu em 1938.

Inicia o Curso de Arquitetura e, nos tempos livres, reúne-se com um grupo de amigos num pequeno atelier onde se dedicam a experiências de desenho e pintura.
Executa diversos retratos de amigos. As suas principais referências são Picasso e Matisse. Descobre depois De Chirico, que o deslumbra, e o Surrealismo.
Colabora como ator no Teatro Universitário de Lisboa, dirigido pelo seu pai.
Executa o cenário para a peça Óleo de Eugene O’Neill.

Foi um pintor emblemático da arte portuguesa com um percurso muito singular e coerente.
Arquiteto de formação, mas dedicado em exclusivo à pintura desde 1987.
Os seus trabalhos constituem frequentemente séries temáticas, nas quais a figura humana está ausente ou surge secundária em relação aos espaços representados.
Ligado às artes cénicas através do seu pai, o autor, encenador e ator Fernando Amado.

As suas pinturas destacam-se  assim pelo rigor na representação da luz e das sombras, que desempenham um papel cénico fundamental.
Mas também pela forma como constrói as suas obras a partir de um mistério, de uma memória e um olhar sobre o país e a passagem do tempo, nomeadamente sobre a cidade de Lisboa, onde nasceu.

Manuel Amado é assim um dos mais importantes pintores portugueses da sua geração. A sua obra encontra-se representada em inúmeras coleções públicas e privadas, nomeadamente Fundação Calouste Gulbenkian, Fundação Centro Cultural de Belém, Fundação Champalimaud, Fundação Cupertino de Miranda.

Manuel Amado faleceu em 2019.

 

Outras obras deste artista