Manuela Jorge

 Sem título
Gravura sobre papel nº 27/150
Dimensão da mancha: 35 x 26 cm
Dimensão total: 56 x 38 cm
1968

Reproduzida no livro “20 Anos de Gravura”, da Fundação Calouste Gulbenkian.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1959 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Manuela Jorge nasceu em Lisboa em 1939.

Vive em Paris, desde 1963.
Em 1962/63 desenho gravura nas oficinas da «Gravura» com Júlio Pomar e Alice Jorge.

Expõe na Exposição Gravadores Portugueses Contemporâneos, na Sociedade Nacional de Belas-Artes.

Foi bolseira da Fundação Gulbenkian, em Paris, em 1964/1966.
Frequentou os ateliês «17» e Friedlander.
Em 1967 faz parte das representações francesas de gravura nas Bienais de Lubliana e de Paris.

Foi premiada no concurso de tapeçaria da Fundação Calouste Gulbenkian.
Em 1968 participa nas 1ª Bienais da Estampa de Paris e de Buenos Aires, na Exposição Internacional de Gravura de S. Paulo e na Exposição paralela à 1ª Bienal para tapeçaria, destinada à Sede da Fundação Calouste Gulbenkian.
Está representada no Palais des Beaux-Arts de Bruxelas, nas Galerias Cassé, Seder, Jacob, Pochade e Nouvelle Gravure de Paris.