Maria João Oliveira

Sem título
Acrílico sobre papel
Dimensão: 46,5 x 34,5 cm
Dimensão com moldura: 60 x 49 cm
2023

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

450,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1801 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Maria João Oliveira é uma consagrada artista Portuguesa.
Com uma obra díspar no âmbito do pictórico.
pintura  de Maria João Oliveira foca-se numa viragem para um olhar interior não caindo assim num concretismo do observado.
Fernando Pernes disse acerca de uma exposição da autora que “Apenas que não há normas fixáveis para um labor assim, mobilizável da interioridade espiritual e visceral, inerente também à sua condição de mulher. E onde os mundos do sonho e do desejo se cruzam com os fundamentos do que chamamos arte. Amassando o lirismo intimista no dramatismo da vida universal.”
Será então de assinalar a importância do inútil, na sua utilidade social do dever público. Onde as obras da pintora se enraízam e proliferam num sentido comum da arte abstrata e minimal.

Nunca fui tão consciente como agora da responsabilidade do criador, como transgressor de ideias e estéticas. Temos de abrir janelas para o “novo” a partir de dados que se conhecem, para entrar no descobrimento do desconhecido.
Com muita razão escrevia Keith Harring: “o papel do criador de imagens não se pode equiparar aos criadores de há cem anos, cinquenta, nem mesmo de dez anos atrás”. O ritmo de mudanças acelera-se a uma velocidade cada vez maior e o artista deve adaptar-se a essas mutações.

Outras obras deste artista