Promoção!

Mário Cesariny

Sem título
Técnica mista com assemblage sobre madeira
Dimensão: 65 x 47 cm
Dimensão com moldura: 88 x 70 cm

Nota: até ao final do ano, o Clube Rastro tem uma prenda muito especial para todos os compradores de obras originais apresentadas no site do clube: na compra deste original, recebe de imediato a oferta da serigrafia de Alfredo Luz, “Fernando Pessoa”! Veja a obra aqui.

7.000,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0289 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Mário Cesariny de Vasconcelos frequentou a Escola de Artes Decorativas António Arroio e estudou música com o compositor Fernando Lopes Graça. À semelhança dos artistas do seu tempo, foi para Paris e ingressou na Académie de la Grande Chaumière. Nas artes e nas letras Mário Cesariny é considerado o principal representante do surrealismo em Portugal, movimento em torno do qual exerceu outras funções como antologista, compilador e historiador das atividades surrealistas no país.

Com toda certeza, o contacto com André Breton em Paris leva-o a criar, em 1947, o “Grupo Surrealista de Lisboa”, juntamente com António Pedro, José-Augusto França, Cândido Costa Pinto, Vespeira, Moniz Pereira e Alexandre O´Neill, que terá como anti-grupo “Os Surrealistas”, grupo também fundado por Cesariny no ano seguinte.

A sua obra escrita, marcada pelo absurdo, pelo humor negro e pelo non-sense, subdivide-se em textos poéticos e em textos que problematizam a temática surrealista, como por exemplo A Intervenção Surrealista (1958), Do Surrealismo e da Pintura (1967) e Vieira da Silva – Arpad Szenes ou O Castelo Surrealista (1984). Desse modo, sua atividade ficou também marcada pela técnica do “cadáver esquisito”, que consiste na criação de uma obra através de um trabalho criativo em cadeia, partilhado entre várias pessoas.

Outras obras deste artista