Mário Silva

Barco
Técnica mista sobre papel
Dimensão: 45 x 32 cm
Dimensão com moldura 77,5 x 66,5 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#0721 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Mário Silva é uma das figuras mais interessantes, prolixas e extravagantes da arte moderna portuguesa, certamente das mais difíceis de rotular ou de enquadrar em determinada corrente estética.

Dono de uma obra singular e abundante, nasceu em Coimbra em 1929.
Trocou o curso de Engenharia na Universidade de Coimbra pelas belas artes, sobretudo pela pintura.
Com incursões na cerâmica, escultura, arte pública monumental e artes gráficas (monotipia, gravura, serigrafia, ilustração, cartaz).

Mário Silva expôs, pela primeira vez, individualmente, em 1957, no salão do Café Nicola em Coimbra.  Acumulou um impressionante registo de prémios nacionais e internacionais.
Está representado em vários museus, galerias e coleções privadas nacionais.
Bem como em museus de arte contemporânea estrangeiros, como os do Rio de Janeiro, São Paulo, Boston, Anchorage, Amsterdão, Montecatini e Estocolmo.

Em 1958, foi um dos fundadores do seminal Círculo de Artes Plásticas de Coimbra, que durante os anos 1960 e 70 seria um dos principais centros de talento nacional modernista.

Foi membro da Sociedade Nacional de Belas Artes, Vice-Presidente do Conselho de Direcção da ANAP-Associação Nacional dos Artistas Portugueses e foi eleito membro do Comité Português para a AIAP-Association Internationale des Arts Plastiques|Unesco (Paris).

Em 2006, o Município de Coimbra distinguiu-o com a Medalha de Mérito Cultural da Cidade.  Foi galardoado em 2007 pelo Governo Português com a Medalha de Mérito Cultural, atribuída e entregue pela Ministra da Cultura.
Em 2009 recebe prémio carreira pela “Biennale Internazionale Dell´Arte Contemporanea” em Florença.

O artista morreu em 2016.

Outras obras deste artista