Mily Possoz

Sintra
Gravura sobre papel nº 75/150
Dimensão: 52,5 x 40 cm

Reproduzida no livro “20 Anos de Gravura” da Fundação Calouste Gulbenkian, na seleção de melhores gravuras de 1963.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

300,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1183 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Mily Possoz, nasceu em  Dezembro de 1888.
Faleceu a  17 de Junho de 1968.
Foi uma artista plástica portuguesa de origem belga.

É uma das figuras de maior destaque da primeira geração de pintores modernistas portugueses.

Ainda jovem, Mily começou a frequentar o atelier do aguarelista Enrique Casanova.

Mestre do rei D. Carlos I e da rainha D. Amélia, e da pintora Emília dos Santos Braga, discípula de José Malhoa.
Apenas com 16 anos, continuou a sua aprendizagem artística fora do país, nomeadamente em Paris, frequentando a Académie de La Grand Chaumière, em Montparnasse.

Durante a sua estadia na cidade das luzes, inseriu-se na comunidade artística, visitou museus e salões de exposições, conheceu Lucien Simon e Émile-René Ménard, dos quais foi aluna, Manuel Jardim, Manuel Bentes, Francisco Smith, Amadeo Modigliani e Eduardo Viana.
Começa a explorar novas técnicas e a acompanhar os novos movimentos de vanguarda artísticos.

Mais tarde prosseguiu os seus estudos em Düsseldorf, Alemanha.
Onde teve aulas particulares com o célebre mestre da gravura Willy Spatz sobre litografia.

Mily Possoz, na década de cinquenta e sessenta, a convite do seu vizinho e amigo Bartolomeu Cid dos Santos.
Começou a colaborar com a Sociedade Cooperativa de Gravadores Portugueses, da qual permaneceu membro até à data da sua morte.