Promoção!

Nuno Viegas

Cosmogonia a alastrar no canto da sala
Técnica mista sobre papel
Dimensão: 150,5 x 110 cm
2022

Nota: até ao final do ano, o Clube Rastro tem uma prenda muito especial para todos os compradores de obras originais apresentadas no site do clube: na compra deste original, recebe de imediato a oferta da serigrafia de Alfredo Luz, “Fernando Pessoa”! Veja a obra aqui.

2.500,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#0382 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Nuno Viegas nasceu em Almeida em 1977 e estudou Pintura na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa. De 2001 a 2015 realizou anualmente exposições individuais na Galeria Arte Periférica em Lisboa tendo, no mesmo período, participado em várias exposições coletivas em Portugal e no estrangeiro. Em 2005 ilustrou 3 edições da Revista Colóquio Letras da Fundação Calouste Gulbenkian. Entre 2013 a 2015, viveu e trabalhou em Berlim num atelier integrado na BBK (Berufsverband Bildender Künstler Berlin). Desde 2016, vive e trabalha na Castanheira onde, com o apoio da empresa Toino Abel, restaurou parte das ruínas de uma antiga discoteca, transformando o espaço no atelier onde residiu durante dois anos, um projeto com vista a acolher um futuro programa de residências artísticas. 

O seu trabalho é maioritariamente figurativo, com recentes incursões na abstração, com foco no lado material do desenho e pintura, tentando dar um testemunho processual, valorizando o improviso e a atenção aos acidentes, num envolvimento também narrativo dum ponto de vista comprometido sobretudo com o absurdo. Está representado em várias coleções particulares em Portugal e no estrangeiro, entre elas, na Graphotek de Berlim, a Fundação PLMJ e no Museu de Arte Contemporânea de Elvas.