Pol Gachon

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 57/200
Dimensão da mancha: 69 x 49 cm
Dimensão total: 76 x 56 cm

Esta obra encontra-se em acervo na Fundação Calouste Gulbenkian.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

175,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1961 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Pol Gachon nasceu a 5 de Junho, em Blessac, França.

Realizou a sua primeira exposição individual na Galerie Camille Renault, em Paris, em 1967. Considerado “pintor dos contornos”, Pol Gachon dá uma importância decisiva à linha e à simplicidade do objetivo num contexto de paisagem urbana e industrial contemporânea.

Inicia a sua carreira como pintor abstrato-geométrico, evoluindo tendencialmente para trabalhos minimalistas.

Desde 1967, expõe em Paris, nomeadamente no Salon Grands et Jeunes d’Aujourd’hui. Participou em numerosas exposições coletivas, nomeadamente a Bale 1972, Lille 1973, Nantes 1979, Dusseldorf 1985, Anvers 1986, Paris 1988, 1989, 1990, 1992, 1993, Grenoble 1991, Pau 1993, Montargis 1995, Strasbourg 1996.
Em Portugal (na Sociedade de Belas Arte de Lisboa, desde a década de 1970).

A sua pintura aborda o mundo das máquinas e da automação, criado num espaço abstrato, com cores vivas acrílicas saturadas.
São recorrentes as representações de eixos, parafusos e molas.