Raúl Indipwo

Mãe África
Serigrafia sobre papel 75-200
Dimensão: 61 x 50 cm
Dimensão com moldura: 73 x 65 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1268 Categoria: Etiqueta:

Descrição

Cantor e pintor angolano, Raul José Aires Corte Peres Cruz, nascido em 1933 em Angola

E falecido a 4 de junho de 2006, no Barreiro, em Portugal

E mais conhecido por Raul Indipwo, formou com Milo MacMahon o Duo Ouro Negro, que fez grande sucesso nas décadas de 60 e 70.

O Duo Ouro Negro, de Raul Indipwo e Milo MacMahon, foi formado em 1959

Depois do regresso a Angla a dupla começou a ser conhecida a nível internacional, protagonizando, ainda nesse ano, atuações em países como:

Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Suécia e Suíça, e de novo Portugal.

Mas em meados da década de 60, já baseado em Lisboa, o duo conheceu grande sucesso, sendo presença constante em programas de televisão e de rádio.

E, no ano seguinte, deram um espetáculo na sala Garnier da Ópera de Monte Carlo, perante os príncipes do Mónaco.

Assim o ano de 1968 ficou marcado por atuações no Canadá e nos Estados Unidos da América (EUA), nomeadamente no Waldorf Astoria, um dos mais conhecidos hotéis de Nova Iorque.

Já na década de 70 houve concertos na Alemanha, Austrália e, novamente, França e EUA.

Raul Indipwo, entretanto já radicado em Portugal, dedicou-se a partir daí especialmente à pintura.