Renée Gagnon

 Acidente I
Serigrafia sobre papel 41/200
Dimensão da mancha: 60 x 49,5 cm
Dimensão total: 72 x 56 cm
1974

Esta mesma serigrafia encontra-se em acervo na Fundação Calouste Gulbenkian.

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1736 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Renée Gagnon nasceu em Montreal,  no Canadá.

Esteve ligada ao Quarteto, ao Animatógrafo, e chegou a trabalhar com Andy Warhol.
No entanto, a sua formação é em Belas Artes, com um Diploma de Pintura da Escola de Belas Artes de Montreal e outro da Escola do Louvre em Paris, onde estagiou na Grande Chaumière com o pintor Aujame.

Em 1970, já em Lisboa, começa a concentrar-se em Técnicas de Serigrafia sobre tela de grande dimensão em Lisboa.
Entre 1972 e 74 reside em Luanda.
Em 1975  Renée Gagnon dedica-se então ao estudo sistemático do tipo de construção dos Musseques com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.
Elabora várias publicações sobre o tema dos Musseques e doa ao Estado de Angola o conjunto dos seus trabalhos (textos e fotografias) sobre o fenómeno.

Desde 1976, assinou diversas publicações, participou em exposições individuais e coletivas.

Por outro lado como a deslocação ao Alentejo, em 2014, em que deu por si a fotografar oliveiras ancestrais.
No regresso ao seu estúdio em Lisboa, começou a trabalhar as fotografias em Photoshop e a aplicar-lhes tinta, posteriormente, num processo evolutivo, de construção da imagem; em que se acrescentam camadas artísticas ao original fornecido pela natureza. O resultado final é agora apresentado na exposição “Now and Ever | Oliveiras”.

Os seus trabalhos estão representados nas coleções da Fundação Calouste Gulbenkian, na Fundação Júlio Resende, na Caixa Geral de Depósitos, na Secretaria de Estado da Cultura, na Valor Sul Lisboa, na Presidência da República da Angola e na Câmara Municipal de Luanda e Lobito.

1992 – Prémio Aquisição, 1ª Bienal de Belas Artes AIP

1997 – Prémio Júlio Resende de Pintura

1998 – Prémio de Desenho, II Bienal de Belas Artes da Maia

1999 – Prémio Aquisição, 10ª Bienal de Vila Nova da Cerveira