Roberto Chichorro

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 36/200
Dimensão da mancha: 44 x 54,5 cm
Dimensão total: 56 x 75 cm
2005

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

350,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#0042 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Roberto Chichorro nasceu em 1941 em Moçambique.
Concluiu o curso industrial de Construção Civil, tendo trabalhado como desenhador de publicidade e arquitetura, e como decorador de pavilhões para feiras internacionais em Moçambique.

Por conseguinte, fez também cenografias para espetáculos e ilustrou livros. As suas obras encontram-se espalhadas em diversas instituições, como o Museu de Arte Contemporânea em Lisboa e o Museu de Arte Contemporânea de Luanda. As pinturas de Chichorro caracterizam-se pelo uso de cores vivas, de tons acentuadamente africanos, representando a vivacidade das gentes de África, num tom carregado de “poeticidade e onirismo”.

Logo após, expos pela primeira vez na Exposição Coletiva dos Festejos da cidade de Lourenço Marques (hoje Maputo), em 1966, e a sua primeira mostra individual teve lugar em 1967 na Cooperativa da Casas de Lourenço Marques, onde trabalhava como desenhador de arquitetura.

Em 1982 recebeu uma bolsa do governo espanhol, que lhe permitiu trabalhar em Madrid, em cerâmica, no Taller Azul, e em zincogravura, com Óscar Manezzi.
Em 1986 foi para Portugal com uma bolsa do Governo português, onde começou a dedicar-se exclusivamente à pintura.

Roberto Chichorro ao longo da sua carreira, recebeu o prémio de Aquisição no Salão de Arte Moderna, em Luanda, em 1973.
Prémio Prestígio LIÁFRICA, em Lisboa, em 1998; Prémio Carreira 2007 em Lisboa.
Prémio MAC em 2012, em Lisboa, entre outras distinções.

Por fim, as suas obras encontram-se presentes em espaços públicos e privados, em Espanha, Portugal, Guiné-Bissau, Estados Unidos da América, Brasil, Moçambique, Cabo Verde, República Dominicana, Macau ou Tanzânia. “Eu pinto o sonho, aquilo que as pessoas gostariam de ser e que deveriam ter o direito a ser.”, Roberto Chichorro

 

Outras obras deste artista