Cruzeiro Seixas

É na linha do horizonte que está o infinito
Serigrafia sobre papel nº 30/90
Dimensão da mancha: 65 x 36 cm
Dimensão total: 70 x 50 cm
1985

Nota: A serigrafia está assinada e numerada a tinta

250,00

Esgotado

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR2005 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Um dos maiores expoentes do surrealismo português, Artur Manuel Rodrigues do Cruzeiro Seixas.
Nasceu na Amadora a 3 de dezembro de 1920, falecendo em 2020, a poucos dias de cumprir cem anos de vida.
Um século de criação intensa e genial, que fez de Cruzeiro Seixas uma das figuras maiores das artes plásticas nacionais de sempre, além de soberbo poeta.

O artista estudou na Escola Artística António Arroio em Lisboa.
Começando a sua carreira nos domínios do neorealismo, antes de transitar para a esfera do surrealismo, em finais da década de 1940.
Homem do mundo, trabalhou na marinha mercante e viveu cerca de 15 anos em Angola, onde começou a fazer exposições individuais e a aprofundar a sua arte.

Em 1964, abandonou Luanda e viajou pela Europa.
Onde teve contacto com os grandes artistas, galerias e museus do seu tempo.
Regressando a Portugal em 1967 com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian.
Em Lisboa, além de uma intensa atividade criativa, colaborou com as galerias 111 e São Mamede (esta última que dirigiu de 1968 a 1974).
Divulgando outros artistas e ilustrando e colaborando em edições e antologias.

Também foi diretor da Galeria da Junta de Turismo do Estoril (de 1976 a 1983).
Assim como da Galeria de Vilamoura, no Algarve (de 1985 a 1988).

Por fim, participou em exposições coletivas em França, Brasil, Bélgica, Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Alemanha ou México. Em 1999, como nos conta o DN, doou a totalidade da sua coleção à Fundação Cupertino de Miranda, de Vila Nova de Famalicão, para a constituição do Centro de Estudos do Surrealismo e do Museu do Surrealismo, entretanto criados, existindo hoje o Espaço Cruzeiro Seixas, na Fundação, com uma exposição permanente

Outras obras deste artista