Promoção!

Cruzeiro Seixas

Sem título
Serigrafia sobre papel nº 6/150
Dimensão da mancha: 34 x 24 cm
Dimensão total: 50 x 36 cm
Ano: 2020

Nota: Cruzeiro Seixas esteve em isolamento nos últimos meses da sua vida devido à pandemia de covid-19, o que impediu a assinatura manual desta serigrafia. O artista acabou por falecer em novembro de 2020. Esta serigrafia foi o último projeto artístico de Cruzeiro Seixas, realizado integralmente sob a orientação do mesmo.

 

250,00

Os membros do Clube Rastro podem adquirir de imediato qualquer obra que esteja disponível no site; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR1934 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Um dos maiores expoentes do surrealismo português, Artur Manuel Rodrigues do Cruzeiro Seixas, nasceu na Amadora a 3 de dezembro de 192o, falecendo em 2020, a poucos dias de cumprir cem anos de vida.
Um século de criação intensa e genial, que fez de Cruzeiro Seixas uma das figuras maiores das artes plásticas nacionais de sempre, além de soberbo poeta.

O artista estudou na Escola Artística António Arroio em Lisboa, começando a sua carreira nos domínios do Neorealismo, antes de transitar para a esfera do surrealismo, em finais da década de 1940.
Homem do mundo, trabalhou na marinha mercante e viveu cerca de 15 anos em Angola, onde começou a fazer exposições individuais e a aprofundar a sua arte.

Em 1964, abandonou Luanda e viajou pela Europa, onde teve contacto com os grandes artistas, galerias e museus do seu tempo, regressando a Portugal em 1967 com uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian. Em Lisboa, além de uma intensa atividade criativa, colaborou com as galerias 111 e São Mamede (esta última que dirigiu de 1968 a 1974), divulgando outros artistas e ilustrando e colaborando em edições e antologias.

Também foi diretor da Galeria da Junta de Turismo do Estoril (de 1976 a 1983), assim como da Galeria de Vilamoura, no Algarve (de 1985 a 1988).

Por fim, participou em exposições coletivas em França, Brasil, Bélgica, Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, Alemanha ou México. Em 1999, como nos conta o DN, doou a totalidade da sua coleção à Fundação Cupertino de Miranda, de Vila Nova de Famalicão, para a constituição do Centro de Estudos do Surrealismo e do Museu do Surrealismo, entretanto criados, existindo hoje o Espaço Cruzeiro Seixas, na Fundação, com uma exposição permanente dedicada ao artista.

 

Outras obras deste artista