Thomaz de Mello ( Tom )

 Sem título
Serigrafia sobre papel 37/300
Dimensão: 40 x 50 cm
Dimensão com moldura: 64 x 57 cm
1985

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

225,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#1625 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Thomaz de Mello ( Tom ) nasceu em 1906, no Rio de Janeiro, Brasil.

Fez parte  da segunda geração de pintores modernistas portugueses.

O artista vem então para Portugal em 1926 com a companhia de teatro de Leopoldo Fróis.

Durante a sua vida, explora  assim diversos meios plásticos desde a pintura ao desenho, passando pela banda desenhada. Também a caricatura, a tapeçaria, o design gráfico, o design de interiores, o design industrial, a cerâmica, entre outros. 

Entre 1935 e 1951 participou em todas as Exposições de Arte Moderna do S.P.N./S.N.I., recebendo o Prémio Francisco de Holanda em 1945.
Em 1973 o SNI organizou, no Palácio Foz em Lisboa, uma exposição retrospetiva da sua obra multifacetada de caricaturista, desenhador, pintor, gráfico, decorador e designer.

Dirigiu, com António Pedro, a Galeria UP, no Chiado, a primeira galeria comercial de arte de Lisboa, inaugurada em Março de 1933 e ativa até 1936.

Thomaz de Mello ( Tom ) em 1948 integra assim a equipa de artistas decoradores do Museu de Arte Popular, realizando murais no vestíbulo e nas salas de Entre-Douro-e-Minho e Algarve.

Colabora com a Companhia Portuguesa de Bailado Verde Gaio (cenários e figurinos para o bailado Passatempo, Teatro Nacional de D. Maria II.

Entre as publicações para as quais trabalhou contam-se a Voz, o Diário da Manhã, a revista Panorama e a revista Ilustração. 

Thomaz de Mello faleceu em Lisboa, em 1990.