Vasco

Caricatura de Stuart Carvalhais
Serigrafia sobre papel
Dimensão: 35 x 50 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

250,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#2091 Categorias: , , Etiqueta:

Descrição

Vasco de Castro ou apenas vasco, nasceu em, Ferreira do Zêzere, em 1935.
Foi um cartunista português de referência, com vasta obra publicada.
Expôs pintura e desenhos em múltiplos eventos e participou em antologias internacionais de humor.

Frequentou o curso de Direito da Universidade de Lisboa, onde foi dirigente associativo e se envolveu em atividades jornalísticas e culturais.

Viveu exilado em Paris de 1961 a 1974, tendo então colaborado na imprensa francesa como desenhador satírico, conquistando aí a sua maturidade plástica.
Tem obra publicada no Le MondeLe Figaro e em outros títulos de grande circulação em França.
Fundou em Paris uma editora destinada a publicar periódicos e outro material de cariz político próximo da extrema-esquerda.
Participou em filmes do realizador francês Jean Pierre Mocky (L’ÉtalonSoloChut !, entre outros).

Mas regressa a Lisboa depois do 25 de Abril de 1974, “para se impor no seu traço agressivo como um dos mestres da caricatura”.
Em Portugal continuou assim a sua militância política e fundou o jornal Página Um, colaborando então ativamente na imprensa com textos e desenhos. “Artista com um dos traços mais ousados da caricatura contemporânea, procura nunca prescindir da estética em favor da leitura mais fácil”.

Foi autor das obras Montparnasse, mon village (1985), Fotomaton (1986), Leal da Câmara (1996) e Montparnasse até ao esgotamento das horas (Campo das Letras, 2008).
Foi membro da Academia de Belas Artes.

Faleceu em 2021, aos 85 anos de idade.

 

Outras obras deste artista