João Vieira

Sem título
Óleo sobre tela
Dimensão: 73 x 60 cm
Dimensão com moldura: 102 x 88 cm
1997

Moldura com algumas falhas.

Nota: Até ao fim do ano, o Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra deste original receba imediatamente os “Palhaços” do Mestre Roberto Chichorro! No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das peças, os clientes pagam as obras como puderem e agora – só até final do ano – recebem uma obra gráfica que vale 350 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte! 

Nota: caso deseje adquirir esta obra e não tenha disponibilidade para pagar de imediato a totalidade do valor, o Clube Rastro permite o pagamento fracionado. Basta contatar o nosso clube e combinar connosco um plano de pagamentos. Sem despesas nem juros para si!

7.500,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados para que esta obra passe a pertencer à sua coleção.

A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis, com o seguro do transporte das obras a ser oferecido pelo Clube Rastro. Todas as obras de arte disponíveis no site do Clube Rastro têm cotação e estão devidamente certificadas.

Pode optar por subscrever o Clube Rastro, um clube de colecionismo de arte onde se acede à obra dos melhores artistas nacionais através de um pequeno investimento mensal de verba para o clube. Veja em Subscrição como aderir ao Clube Rastro.

Os subscritores do Clube Rastro não pagam qualquer joia de inscrição e terão direito a diversos prémios. Para qualquer outra informação sobre esta obra, por favor contate-nos através do info@clube.galeriaorastro.com

REF: CR#1408 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

João Vieira nasceu em Vidago ( Chaves ) em 1934.
Começou por estudar pintura na ESBAL (1951-1953) mas abandonou o curso, encontrando no Grupo do Café Gelo (1956) o contraponto vanguardista ao ensino académico e politicamente comprometido que abominava.

Vieira partiu depois para Paris, onde retomou os estudos e co – fundou o Grupo KWY (1958-1968), assimilando as linguagens abstratas e gestualistas que consolidaram o seu interesse precoce pela pintura letrista, enquanto descobria as novas práticas processuais de redefinição da própria ideia de objeto artístico.

No regresso a Portugal, após um período entre a comunidade artística lusa de Londres (1964-1965), o experimentalismo torna-se a nota dominante da sua obra.

Vieira usa materiais invulgares como poliuretano rígido, espumas flexíveis ou tinta de automóveis.
Realizando assemblages, ilustrações literárias, happenings e performances (as “ações-espetáculo”, como chamava) pioneiras no país, e transpondo poemas e letras para telas espessamente coloridas ou para objetos tridimensionais.

Os caminhos plásticos de exploração da envolvência espacial e da presença do corpo.
Levam-no a dedicar-se sobretudo ao teatro entre os anos 60 e 70, primeiro como cenógrafo e depois como encenador.
Sem nunca abandonar no entanto as experiências letristas que tanto em pinturas, instalações ou recentes obras multimédia, foram sempre um leme do seu percurso criativo.

João Vieira faleceu em Lisboa em 2009 aos 74 anos.