Augusto Barros

 Sem título
Serigrafia sobre papel nº 42/150
Dimensão da mancha: 33 x 32 cm
Dimensão total: 58 x 50 cm

Nota: O Clube Rastro tem uma oferta muito especial para si! Na compra desta obra receba imediatamente duas serigrafias:  “A gente não lê” do artista Alfredo Luz e a  “Persona” do artista Martinho Dias. No Clube Rastro há um mundo de ofertas e vantagens: oferta do transporte das obras, os clientes pagam as peças como puderem e, agora, recebem de oferta duas obras gráficas que valem 400 euros!
Confie, compre no Rastro; há 35 anos a transformar os seus sonhos em arte!

 

 

200,00

Em stock

Qualquer interessado pode adquirir de imediato esta obra; basta clicar em Adicionar e seguir os passos indicados.
Para pagar a obra em prestações, basta contatar-nos através do e-mail info@clube.galeriaorastro.com.
A obra será entregue em sua casa de forma inteiramente grátis. Para qualquer outra informação, por favor contate-nos por email ou através dos números de telefone: (+351) 233 411 188 ou (+351) 934 239 608.

REF: CR#2092 Categorias: , Etiqueta:

Descrição

Augusto Barros nasceu em Lisboa, em 1929.

Tem aulas na Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, com Machado da Luz.
Como muitos outros,  considera ser a emigração, a única solução para poder trabalhar em arte e viver dela.

Em 1959, após a obtenção de uma bolsa concedida pela Fundação Calouste Gulbenkian.
Parte para a Alemanha, onde estuda e se torna discípulo do Mestre Hans Thiemann, da Escola Staadtliche Hochschule Fur Bildende Kunst, de Hamburgo.

 Em 1959 Augusto Barros expõe pela primeira vez ao público as suas pinturas.
Numa exposição de Arte  Moderna do SNI ( Palácio Foz , Portugal).  Na sequência desta exposição obtém  assim uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian , graças à qual decide ir estudar para a Alemanha.
 Na verdade, como muitos outros pintores da sua geração,  Barros rapidamente percebe que não poderá ter sucesso na sua carreira artística enquanto permanecer em Portugal. 
Porque nem o ambiente sociocultural da época, nem a situação política foram favoráveis ​​à sua formação e à sua inspiração. 

Em finais de 1962, regressa a Portugal.
Augusto Barros, ainda neste ano é convidado a participar no 2º Salão de Artes Plásticas da Fundação Calouste Gulbenkian.
A partir de 62, expõe coletiva e individualmente, quer em Portugal, quer em diversos países europeus e também nos EUA.

Em 1963, já em Paris, trabalhou com Man Ray e torna-se amigo de Vieira da Silva, do seu marido, Arpad Szenes, de Cargaleiro e de muitos outros.
A sua obra de pintura, óleos, guaches, colagens, é abstratizante.
Porem constrói-se a partir do uso de cores geralmente amortecidas.
Em 1988, regressa  então definitivamente a Portugal.
Continua a pintar e expõe regularmente, até ao fim da vida, em Portugal e França.

O artista faleceu em 1998, em Lisboa.

Outras obras deste artista